Carriacou, Granada

Carriacou é a segunda ilha que compõe o país Granada (para lembrar: Granada = Granada + Carriacou + Petite Martinique). Ferries conectam as três ilhas ao menos uma vez por dia e a viagem entre St. George’s e Hillsborough (capital de Carriacou) leva uma hora e meia mais ou menos. Durante a viagem é possível ver toda a costa oeste da ilha de Granada.

Sair de Granada e ir para Carriacou significa deixar o Caribe dos cruzeiros, dos resorts, dos restaurantes de comida internacional e desbravar o Caribe como ele era há algumas décadas: sem cruzeiros (isto é, poucos e aventureiros turistas), sem resorts (isto é, acomodações simples ou muito simples) e comida caribenha. O que não falta em Carriacou, porém, são as vans (que eles chamam de “ônibus”) que levam os habitantes locais para todos os lados em velocidade suicida e onde sempre cabe mais um. Surpreendentemente, Carriacou não é mais barata que Granada, porém.

Carriacou tem 9 mil habitantes, é mais seca que Granada e tem praias praticamente desertas. Algo imperdível a se fazer em Carriacou é ir fazer a trilha de 45 minutos até a praia (esta é deserta mesmo!) de Anse La Roche, de onde já se avista a Ilha de União no país vizinho de São Vicente e Granadinas. Lembrou-me um pouco Fernando de Noronha, é tão paradisíaco quanto.

DSC02644

DSC02661

Bem mais conhecida é a Paradise Beach onde há bares de praia e algum morador local aproveitando a praia no domingo.

IMG_3360

Hillsborough é a base para tudo isto (os deslocamentos aos quatro cantos da ilha não levam mais que alguns minutos). É uma cidade esquecida no tempo, sossegada demais até para quem gosta de sossego.  Dali eu parti para a Ilha da União, em São Vicente e Granadinas, numa travessia internacional que durou menos de 1 hora mas que envolveu vários contratempos.

IMG_3348

Por fim, cabe ressaltar que Carriacou e Petite Martinique são a porção das Granadinas que ficaram para Granada (o resto foi para São Vicente e Granadinas). Os dois países apresentaram à UNESCO estas ilhas como tentativa conjunta de inscrição na Lista da UNESCO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *