Brasil apresenta à UNESCO três novas tentativas de Patrimônios da Humanidade

O Brasil apresentou à UNESCO mais três Tentativas inscrição de lugares na Lista do Patrimônio Mundial. São eles: o Mercado Ver-o-peso, em Belém/PA; a Paisagem Cultural de Paranapiacaba, em Santo André/SP e o Sítio Arqueológico do Porto de Valongo, no Rio de Janeiro/RJ.
De acordo com os dossiês, o Brasil defende que há interesse mundial no Mercado Ver-o-Peso porque ele sintetiza, de maneira única, a cultura da região amazônica em suas práticas culturais e sua relação com o Rio Amazonas, que é meio de transporte, fonte de alimentos e de lazer. O Brasil ressalta que o mercado remonta ao séc. XVII e que, desde então, vem abastecendo a capital paraense com alimentos, artesanatos, remédios tradicionais, superstições e mitos da Amazônia. Em nov/2013, embarquei para o Suriname em Belém e acabei passando uns dois dias na cidade e fui visitar a parte da cidade onde está o Mercado do Ver-o-Peso e suas conhecidas torres azuis. A região ali tem outras atrações como o Forte do Presépio e a Catedral da Sé, assim como a agradável Estação das Docas, revitalizada com restaurantes e bares. Acho justa a tentativa de inclusão do Mercado Ver-o-Peso e acho que também outros pontos do centro de Belém deveriam ter sido considerados.
A Paisagem Cultural de Paranapiacaba é outro lugar que, na minha opinião, merece seu lugar na Lista da UNESCO. Paranapiacaba é um pequeno distrito do Município de Santo André (uns 3 mil habitantes) e foi fundada em 1865 para abrigar funcionários da companhia inglesa contratada para a construção das estradas de ferro que cortaram todo o Estado de São Paulo e que viabilizaram a exportação de café a partir do Porto de Santos. Paranapiacaba tem muitos vestígios desta influência inglesa. A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) tem um passeio turístico de trem que sai 3 vezes por mês da Estação da Luz e vai até Paranapiacaba. Pretendo fazer este passeio nos próximos meses e depois eu conto aqui a respeito de Paranapiacaba.
Por fim, o Sítio Arqueológico do Porto de Valongo rememora o local de chegada de escravos trazidos da África para o Rio de Janeiro. A Paisagem Cultural do Rio de Janeiro já é Patrimônio da Humanidade, mas o Brasil quer enfatizar este ponto em razão de sua importância histórica. Também estão inscritos na Lista da UNESCO outros lugares ligados ao comércio escravagista como a Ilha de Gorée no Senegal. Não conheço este local e pelo que li os trabalhos arqueológicos são recentes.
O fato de o lugar passar a ser uma Tentativa de Patrimônio da Humanidade não garante a inscrição e o Brasil tem outros lugares que há anos aguardam apreciação, como comento aqui.

20140802-111721-40641482.jpg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *