Reservas da Mata Atlântica da Costa do Descobrimento – déc. 80

Este foi um dos primeiros PH que visitei até porque é o mais perto da cidade onde nasci. E também um dos poucos que visitei ANTES de ser reconhecido como PH. Foi tombado pela UNESCO no esforço, realizado em 2001, de identificar ecossistemas em risco e buscar protegê-los etiquetando-os com a marca de PH.

Como costuma acontecer com PH naturais, as reservas da mata atlântica da Costa do Descobrimento são várias áreas que mantêm a cobertura vegetal típica do litoral brasileiro. São ao todo 8 áreas de conservação, e, acredito que para a surpresa de muita gente, 2 delas estão no Espírito Santo.

As que ficam na Bahia são:

– Reserva Biológica do Una;

– Parque Nacional do Monte Pascoal;

– Parque Nacional do Pau Brasil;

– Parque Nacional do Descobrimento;

– Reserva Particular de Patrimônio Natural do Pau Brasil e,

– Reserva Particular de Patrimônio Natural de Vera Cruz.

Todas no extremo sul da Bahia, região de Porto Seguro. Fui com minha família a Porto Seguro ainda na década de 80, talvez 1985 ou 1986, em mais uma das gostosas viagens de carro que fazíamos a família toda. Tenho lembranças, algumas bem vagas, mas recordo-me de nossa ida ao Parque Nacional do Monte Pascoal – montanha cuja imponência e formato cônico nunca esqueci.

Tenho que dizer que nunca mais retornei  a esta região, apesar da proximidade, mas nada impede, quer indo de carro saindo do ES, quer de avião saindo de São Paulo. Porto Seguro atualmente é bem servida de vôos saindo da capital paulista.

Quanto ao Espírito Santo, a UNESCO reconhece como patrimônios da humanidade:

– Reserva Biológica de Sooretama e

– Reserva Particular de Patrimônio Natural de Linhares.

Esta primeira é cruzada pela BR-101, administrada pelo IBAMA (ou pelo Instituto Chico Mendes, não sei bem) e apoiada pela Vale. Não há muita informação na internet sobre a Reserva de Sooretama e eu não consegui descobrir se são permitidas visitas turísticas. De qualquer forma, quando se passa de carro pela BR-101 é um prazer ver dos dois lados da via a floresta que, imagino, sofre brutal impacto pelo pesado trânsito da rodovia, especialmente com animais silvestres atropelados.

Sobre a RPPN de Linhares sei menos ainda. Mas pelo que pude investigar, a área pertence à Aracruz Celulose (por isto é reserva particular) e obteve, por requerimento que fez ao IDAF (Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do ES), a homologação como “patrimônio natural estadual”. A Aracruz Celulose chama o lugar de “Recanto das Antas”. Uma reserva particular de patrimônio natural, por definição da Lei Federal n. 9985/2000 é uma área privada “gravada com perpetuidade com o objetivo de conservar a diversidade biológica”.

A Aracruz Celulose tem outras RPPN, mas só esta foi reconhecida pela UNESCO.  No site da Aracruz Celulosa informa-se que:

A Recanto das Antas é a maior RPPN do Espírito Santo e teve seu nome inspirado na forte presença do maior mamífero terrestre das Américas na região. Na área, existem também cerca de 215 espécies de aves, das quais 34 estão ameaçadas, outras 11 são exclusivas da Mata Atlântica e 16 são consideradas raras no Estado. Segundo Beto Mesquita, do IBio, Esta RPPN está entre as dez maiores RPPNs do bioma Mata Atlântica do Brasil.

Também não descobri se está aberta à visitação, mas tenho a impressão que são disponibilizadas apenas a pesquisadores e não a turistas ou caçadores de PH, o que seria uma pena porque uma das melhores formas de conservar áreas naturais é permitir a visitação controlada de forma a conscientizar as pessoas e garantir fundos para investimentos na própria reserva.

De qualquer forma, é bom saber que o ES já entrou no clube dos estados brasileiros detentores de patrimônios da humanidade reconhecidos pela UNESCO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *