Centro Histórico de São Luís-MA corre o risco de ser excluído da Lista dos Patrimônios da Humanidade

Eu nunca li um artigo sobre o Centro Histórico de São Luís, no Maranhão – que é patrimônio cultural da humanidade desde 1997 – que não criticasse contundentemente o deplorável estado de conservação dos prédios históricos, o abandono, a negligência das autoridades e moradores e a lástima que é assistir à degradação de uma área que tem importância mundial.

foto1

Até por isto, nunca me empolguei em ir a São Luís e olha que eu sou bastante curioso e apenas deixo de visitar um PH apenas se tiver fortes motivos para isto. Então, em uma inversão do que costumo fazer, decidi que apenas visitaria o  Centro Histórico de São Luís quando fosse aos Lençóis Maranhenses – que nem na Lista de Tentativas estão -, oportunidade que ainda não ocorreu.

Tomei conhecimento pela imprensa de que a UNESCO está seriamente considerando o abandono em que se encontra o Centro Histórico de São Luís, e que poderá, em breve, inclui-lo na Lista de Patrimônios da Humanidade em perigo e, até, se providências não forem tomadas, promover sua exclusão da Lista.

Ter o status de Patrimônio da Humanidade é algo que não se pode, inteligentemente, desprezar. Menos de 1.000 lugares no mundo inteiro tiveram este reconhecimento e há uma infinidade de pontos incríveis do globo cujos países batalham para conseguir sua inscrição, o que normalmente representa prestígio, ida de turistas, injeção de recursos, etc.

Por isto, é inacreditável que o Estado do Maranhão (autoridades e sociedade)tenha permitido que o seu único patrimônio da humanidade chegasse ao estado de degradação em que se encontra, a ponto de por em risco sua manutenção na Lista da UNESCO ou mesmo a própria existência do conjunto arquitetônico.

Outros PH do Brasil já entraram na Lista em perigo como as Cataratas do Iguaçu – hoje um exemplo de bom manejo turístico da atração sem comprometimento da preservação ambiental – e Olinda, bastante revitalizada, e dela saíram.

Ou seja: é possível correr atrás do prejuízo. Vamos acompanhar. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *