Kingstown e o Vulcão La Soufrière; São Vicente e Granadinas

Kingstown é a capital de São Vicente e Granadinas. Do alto de seus 32.000 habitantes, consegue ser tumultuada e ter horários de rush, momentos em que há notáveis congestionamentos nas vias de acesso e de saída da cidade. Não é uma cidade bonita, mas tem alguns lugares onde se pode dar uma olhada.

Todos os guias recomendam a visita ao Jardim Botânico de São Vicente, que é tido como o mais antigo das Américas (1762). Eu sempre gosto de ir a Jardins Botânicos (meus preferidos são o Kew Gardens em Londres; e os jardins botânicos de Cingapura e do Rio de Janeiro, os três são Patrimônio da Humanidade). O de São Vicente é bastante mais modesto, mas ali estão vários exemplares de um papagaio que é o animal-símbolo de SVG pois só existe naquela ilha e tem as cores da bandeira nacional (verde, amarelo e azul).

DSC02744

Catedral Anglicana (à direita), Catedral Católica (à esquerda) em Kingstown:

DSC02739

As praias da ilha de São Vicente não são notáveis (a ilha é vulcânica e as praias são poucas e de areia escura). O melhor a se fazer lá é, justamente, ir ao Vulcão La Soufrière, no norte da ilha, que com seus 1.235 metros, é o ponto culminante de SVG.

É possível subi-lo sem maiores problemas, mas é recomendável contratar um guia com motorista, não pela dificuldade ou perigo, mas porque é complicado chegar até a sua base, de onde sai a trilha, próximo da cidade de Georgetown. SVG indicou a UNESCO o vulcão La Soufrière como Tentantiva de Patrimônio da Humanidade.

O vulcão encontra-se ativo (nota-se fumaça em sua cratera), mas desde 1979 está quieto. Mas em 1902 este vulcão entrou em erupção e matou 1.680 pessoas, todas elas índios caraíbas, que haviam sido confinados pelos ingleses justamente nesta remota área de São Vicente. Com isto, os caraíbas (um dos principais grupos étnicos pré-colombianos e que deram nome ao Caribe) foram extintos na ilha de São Vicente. Há hoje apenas um assentamento indígena em todo o Caribe, na ilha de Dominica.

Eu adorei subir o La Soufrière! Na medida em que se sobe o tempo muda drasticamente, quase se sente frio acima dos 1.000 metros. O La Soufrière é o quarto vulcão cujo cume eu alcanço e o segundo ponto culminante de um país que eu atinjo (o primeiro foi o Pico do Fogo, em Cabo Verde). Abaixo, na borda da cratera do vulcão.

DSC02728

DSC02735

Bequia, São Vicente e Granadinas

Bequia foi a última das Granadinas que visitei – em sentido norte é a última deste arquipélago. 

Cheguei até lá com um possante ferry norueguês (que deve ter sido doado a SVG) a partir da Ilha da União, numa viagem que durou uma hora e meia.

A ilha de Bequia (pron. biqüêi) tem um charme que não encontrei em nenhum outro lugar do país, com uma “vibe” estilo Búzios/RJ. Hospedei-me num maravilhoso hotel em estilo casarão colonial cercado por coqueiros. Teria adorado ficar muito mais que um dia, que foi o tempo que tive para curtir Bequia.

 IMG_3421

Do hotel bastava uma caminhada pela boardwalk até a praia da Princesa Margareth, ótima para descansar. A praia foi batizada em homenagem à irmã da Rainha Elizabeth II, falecida em 2002, que tinha uma casa em São Vicente e Granadinas, mas não em Bequia e sim em Mustique, ilha vincentina que, até hoje, é exclusiva de ricaços (os ferries públicos nem passam por lá)

IMG_3431

O principal centro urbano de Bequia é a vila de Port Elizabeth, mas eu preferi ficar só no hotel – que tinha um restaurante bom –, tomando rum punchs e a cerveja nacional – Hairoun –, que tem o nome com que os índios caraíbas, precursores dos europeus, chamavam São Vicente.

Considero que Bequia é o lugar mais gostoso de São Vicente e Granadinas, contando com a vantagem de ficar a apenas 1 hora em ferry da capital do país, Kingstown.

Palm Island, Mayreau e Tobago Cays; São Vicente e Granadinas

Embarquei numa excursão em Union Island para visitar outras ilhas granadinas no sul de SVG: Palm Island, Mayreau e Tobago Cays.

A excursão custou salgados US$ 100 mas incluiu quase “pensão completa” e passou por lugares lindos nestas ilhas.

Palm Island é uma ilhota onde praticamente há somente um resort, naquele estilo Ilha da Fantasia (para quem lembra do seriado que passou na TV brasileira na década de ‘80) com diárias a partir de US$ 650/noite. Vendo a praia quase exclusiva do hotel dá para entender porque alguém se dispõe a pagar isto:

IMG_3404

IMG_3406

Mayreau, por sua vez, é uma ilha bem pouco conhecida e habitada (pop. 300) e paramos ali para um banho de mar. Em seguida rumamos aos famosos Tobago Cays, descritos em quase todos os livros-guias como o “paraíso” de SVG, lugar onde filmado Piratas do Caribe com Johnny Depp. Quem conversa com os vincentinos (ou vincies) tem a impressão de que a coisa mais importante que já aconteceu neste país foi ter servido de cenário para este filme.

Eu achei as ilhas – que são desabitadas e compõem um parque nacional de SVG – bonitas, mas esperava mais. Em muitos aspectos me lembraram Abrolhos (onde estive em 2004), no sul da Bahia, mas as ilhotas brasileiras são mais remotas ainda e muito mais exclusivas e intocadas. Acho que o excesso de barcos de excursões, além dos barcos alugados por pessoas que velejam pelas Granadinas tirou muito da paz que eu esperava encontrar ali. O principal destaque foi um mergulho com tartarugas que eu adorei.

IMG_3410

IMG_3412

IMG_3415

De qualquer forma, não é um mar de se desprezar, convenhamos…

Ilha da União, São Vicente e Granadinas

No excêntrico mundo dos viajantes obsessivos há uma tendência de se valorizar a entrada em novos países por meio não-aéreo. O alemão Sacha Grabow (www.greatestglobetrotters.com) chega a dar um “ponto” a mais a quem evita o avião para conhecer um novo país. Recentemente, um inglês conseguiu visitar todos os países do mundo sem usar avião (Graham Hughes).

Aviões são formidáveis, mas aeroportos e seus procedimentos costumam ser mesmo enjoados e no Caribe isto se acentua com o quase monopólio da LIAT, companhia aérea sediada em Antígua e Barbuda, cujos aviões pulam de ilha em ilha todos os dias na região. A LIAT tem uma fama muito ruim e seu apelido é Leave Island Any Time, o que, infelizmente, é verdade. Meu voo de Barbados para Granada atrasou uma hora e meu voo de São Vicente para Barbados atrasou quase quatro horas. Exceto se a bordo de um navio de cruzeiros, quem quer que vá explorar o Caribe terá que encarar a LIAT em algum momento. 

Tudo isto considerado, eu planejei esta viagem de modo a que eu pudesse atravessar de Granada para São Vicente e Granadinas por barco, evitando uma viagem de avião e aproveitando para visitar várias pequenas ilhas. A ideia parecia boa: de Carriacou (GD) até a Ilha da União (SVG) bastam uns 45 minutos para a travessia entre as ilhas que podem ser vistas uma a partir da outra.

As informações na internet sobre esta travessia eram muito escassas e eu preferi combinar com um barqueiro que, aparentemente, era o único que fazia o trajeto de forma legalizada (ao menos é o único mencionado no site oficial de turismo do Governo de São Vicente e Granadinas). Mal eu sabia o que me aguardava.

Troy é o nome do “capitão” e esta é sua “nau”:

 IMG_3373

Troy é um dos caras mais enrolados que deve existir em todo o Caribe. Seu horário de saída tinha uma elasticidade de várias horas – o que para meu desgosto me fez perder boa parte de um dia das férias –, mas ao menos ele tomou todas as precauções burocráticas: saí legalmente de Granada após passar no escritório da imigração em Hillsborough e entrei legalmente em São Vicente e Granadinas pois ele leva até o aeroporto em Union Island onde se recebe o carimbo de entrada no país.

Apesar do meu aborrecimento, evitei estar ilegal em São Vicente e Granadinas, o que poderia complicar meu embarque no aeroporto de Kingstown para a volta a Barbados. Atravessar fronteiras dos pequenos países do Caribe, ao contrário do que se pode supor, não é simples, eles exigem as mesmas formalidades dos grandes países do mundo (ou até mais).

Olhando em retrospectiva, hoje acho graça de tudo. Um dos “tripulantes” aproveitava a viagem para pescar na maior tranquilidade do mundo e até que teve sucesso:

IMG_3382

Assim eu cheguei – por mar – a São Vicente e Granadinas, o 23.º país menos visitado do mundo segundo um outro viajante famoso (o norueguês Gunnar Garfors, que foi a pessoa mais jovem a visitar todos os 193 países da ONU, com menos de 38 anos). Garfors em seu blog tem a lista dos 25 países menos visitados do mundo com base em dados fornecidos pela Organização Mundial do Turismo: http://www.garfors.com/2015/07/the-25-least-visited-countries-in-whole.html.

Em 2012 apenas 71 mil pessoas visitaram SVG, mesmo sendo um país pacífico, que se situa no Caribe, de língua inglesa e repleto de praias e atrativos naturais. O grande senão de SVG é a falta de um aeroporto internacional decente, o que impede pousos de voos transcontinentais, problema também enfrentado por Dominica. O novo aeroporto de SVG – que está quase pronto pelo que vi – mudará radicalmente este cenário e SVG passará longe desta lista em pouco tempo.

Por enquanto, SVG continua este país que se pode acessar com um precário barquinho onde sacos de batata, galões de gasolina e grades de refrigerante disputam espaço com os passageiros do capitão Troy. Coletes salva-vidas? Pfff… nem sinal. Hoje eu acho graça, mas no dia eu estava furioso!

A Ilha da União é a ponta sul das Granadinas de SVG. A ilha é notoriamente mais pobre que todas as demais ilhas do Caribe que já visitei até hoje, mas deve encantar quem esteja em busca de um Caribe “autêntico”, pouco tocado pelo turismo. A vista do hotel onde fiquei hospedado em Clifton foi a melhor coisa que me aconteceu neste dia, mas eu seria injusto se eu dissesse que minha visita a SVG foi ruim. As coisas começaram a melhorar no dia seguinte.

IMG_3392

São Vicente e Granadinas–2016

O terceiro e último país a ser visitado nesta viagem de abr/2016 é o quase desconhecido São Vicente e Granadinas (SVG), que fica no “arco” de ilhas das Pequenas Antilhas entre Granada e Santa Lúcia.

SVG tem por volta de 110.000 habitantes e sua capital é a cidade de Kingstown, que fica na ilha de São Vicente. Abaixo dela, espalham-se as Granadinas, ilhas com grande potencial turístico e um deleite para velejadores.

SVG recebe proporcionalmente menos visitantes que seus vizinhos e isto se deve ao fato de que não possui, ainda, um aeroporto com capacidade para receber aeronaves maiores, inviabilizando voos de longa distância. Para chegar a SVG o visitante quase sempre deve primeiro alcançar Barbados ou Granada e só então chegar ao país, via marítima (há conexões fáceis a partir de Granada) ou em voos regionais. Está sendo construído um aeroporto que irá resolver este problema de SVG, então a hora de visitar o país é, de fato, agora, antes que seja inundado de turistas como ocorre na maioria das outras ilhas caribenhas.

Mapa de São Vicente e Granadinas

O grande chamariz de SVG são as Granadinas. Eu alcancei o país via marítima, saindo da ilha granadina de Carriacou e chegando à ilha vicentina de Union Island. Ali é a base para a visita dos maravilhosos Tobago Cays. Há um intenso movimento de barcos e ferries que conectam as Granadinas e também Kingstown.

SVG em quase todos aspectos segue o padrão caribenho de língua inglesa: integra a Comunidade Britânica e é um dos Commonwealth Realms. Sua população é basicamente composta de descendentes de africanos, embora haja uma significativa minoria de origem portuguesa (Ilha da Madeira). O Primeiro-Ministro do país, Ralph Gonsalves, faz parte desta minoria étnica (é PM desde 2001) e também há indianos no país (6%).

Ao contrário do que se pode imaginar, a ligação entre as diversas ilhas do Caribe não é muito fácil: os ferries não ligam todos os países, bem ao contrário, apenas alguns podem ser visitados via marítima (exceto, claro, a bordo de um cruzeiro), como é o caso de Santa Lúcia-Martinica-Dominica-Guadalupe e São Martinho-São Bartolomeu-Anguilla. A ligação marítima entre Granada e SVG é outra destas exceções e isto me atraiu porque acho muito mais legal o transporte marítimo que o aéreo no contexto do Caribe, sem descuidar do fato de que os voos no Caribe são caros (raramente consegue-se voar entre uma ilha e outra por menos de 150 dólares).

SVG não tem Patrimônios da Humanidade mas tenta, junto com Granada, inscrever as Granadinas, arquipélago que os dois países dividem (a maior parte ficou para SVG). Há atrações na ilha de São Vicente, como o vulcão Sufrière, mas nada atrai mais que as maravilhosas praias de SVG.