Ilha de São Martinho–1

A Ilha de São Martinho é pequena mesmo para os padrões caribenhos: tem apenas 87 km², repartidos da seguinte forma: 2/5 para a Holanda (Sint Maarten) e 3/5 para a França (Saint-Martin), conforme as duas nações decidiram em 1648. Não há qualquer tipo de controle fronteiriço entre os dois países e isto é assim desde 1948 – aliás, é impossível imaginar como seria viver em São Martinho fosse o contrário. Esta é a única fronteira terrestre entre a França e os Países Baixos (Holanda) e atravessá-la constantemente é a rotina de moradores e visitantes.

DSC01077

DSC00967

Há algumas diferenças entre os dois lados da ilha.

O lado holandês é um tanto quanto non descript, isto é, não tem muita “personalidade” ou traços distintivos. Tudo está em inglês – eu vi apenas 2 palavras escritas em holandês durante a semana que passei lá (welcom no aeroporto e verbod – proibido –, numa placa de trânsito). O inglês domina completamente Sint Maarten. Não há praticamente nada que lembre a Holanda.

A moeda de Sint Maarten é o Guilder das Antilhas Holandesas e aqui há várias ironias, a começar pelo fato de que as Antilhas Holandesas não mais existem desde 2010: foram extintas com a criação de dois “países” ligados ao Reino – Sint Maarten e Curaçao –, e transformando os demais territórios (Saba, Santo Eustáquio e Bonaire) em Municípios dos Países Baixos. O próprio guider ou florim, a antiga moeda holandesa, foi, como se sabe, extinto na Europa pois substituído pelo euro. Então esta moeda estranha circula em Sint Maarten e em Curaçao, mas é provável que o turista nunca ponha os olhos nela pois os dólares americanos são disseminados na parte holandesa – e em todo Caribe.

O lado holandês é mais densamente povoado embora seja menor: há poucos espaços não ocupados por construções, ao contrário do lado francês, ligeiramente mais “selvagem”. Isto se reflete nas capitais: Phillipsburg é uma cidade bastante ocupada, com os cruzeiros atracando diariamente, muitas lojas e bastante tráfego. Aliás, congestionamentos em Sint Maarten são rotineiros. Fiquei com a impressão de que os maiores hotéis também ficam na parte holandesa.  Sem falar do Aeroporto Internacional Princesa Juliana (SXM), também holandês – a princesa Juliana depois foi rainha e é a avó do atual rei da Holanda.

DSC01073

Este aeroporto é mundialmente famoso porque fica muito próximo a uma praia e os aviões passam a uma notável curta distância dos banhistas, muitos deles ali aguardando serem varridos pela força do vento provocada pelas turbinas do avião prestes a decolar. Esta praia é a de Maho.

DSC01065

IMG_1777

IMG_1778

Próximo da praia de Maho está a Mullet Bay, considerada por muitos como a melhor de toda a Ilha. É uma praia bastante concorrida. No domingo, achei que estava cheia demais, mas durante a semana ela é ótima mesmo – água cristalina e uns bares de praia.

 IMG_1803

Adiante, está uma prainha de falésia chamada Cupecoy. Eu fiquei hospedado nesta região e considerei excelente ficar por ali: é perto do aeroporto e perto do ferry de Marigot, isto é, suficientemente próxima das duas capitais para fins práticos, mas também suficientemente afastada para uma hospedagem sossegada. E é bem próxima da fronteira – tanto que um dia fui andando até ela e voltei. Eu não recomendaria se hospedar em Phillipsburg, embora haja ali também praias bonitas.

São Martinho (Sint Maarten), Reino dos Países Baixos – 2015

O país que chamamos de Holanda, na verdade, tem seu nome oficial como o Reino dos Países Baixos (Koningkrijk der Nederlanden). Este Reino é composto de 4 países constituintes (Landen, em holandês) que são: Aruba, Curaçao e Sint Maarten (no Caribe) e os Países Baixos propriamente ditos, que, por sua vez, englobam toda a parte europeia do reino, além de três municípios também situados no Caribe: Bonaire, Saba e Sint Eustatius.

Esta configuração dos Países Baixos resultou de uma reforma constitucional de 2010 que extinguiu aquilo que se chamava de Antilhas Holandesas ou Antilhas Neerlandesas.

Sint Maartin (ou São Martinho) é o menor destes países constituintes com apenas 34 km² (pop. 40 mil hab.) e está em uma pequena ilha que divide com um território francês (ou, melhor, uma collectivité d’outre mer), também chamado de Saint Martin.

Location of  Sint Maarten  (circled in red)in the Caribbean  (light yellow)

Trata-se da menor ilha do mundo dividida entre dois países e uma das duas únicas ilhas do Caribe que são compartilhadas por mais de um país – a outra é a Ilha de Hispaniola, ocupada pelo Haiti e pela República Dominicana. Ocupa a parte sul da ilha e tem por capital Philipsburg.

 Sint Maarten is located on the southern half ofthe island of Saint Martin.

Sint Maarten não é parte integral da União Europeia (como ocorre com as Regiões Ultraperiféricas) mas qualifica-se como um “território especial” da União Europeia, com aquelas nuances e complexidades que os burocratas de Bruxelas sabem fazer bem.

Além de tudo isto, Sint Maarten tem praias espetaculares!, uma das quais é famosa pela proximidade com que os aviões sobrevoam-na para pousar no Aeroporto Internacional.

Este é o primeiro destino de um pequeno (mas ambicioso) roteiro que me propus a fazer no Caribe por estes dias.